de de

Descanso

Estava andando há algum tempo quando percebeu o que estava fazendo, seria sonâmbulo? Não... Agora que havia parado começava a lembrar do caminho que fizera. Percebeu que o sol não demoraria para nascer, respirou profundamente o último ar da madrugada e pôs-se a andar novamente, dessa vez sabia para onde deveria ir: para casa.
O túmulo que havia deixado para trás não lhe importava, foi bom dar um tempo, deixar tudo e todos, mas estava na hora de voltar. Ele sabia que seria um choque, uma grande surpresa (boa ou ruim) para aqueles que o conheciam (que talvez sentissem sua falta), mas ele precisou daquele breve período de descanso, um ano ou dois, não conseguia saber, de qualquer forma, foi proveitoso.
Enquanto o sol nascia ele caminhava na esperança de que nada voltasse a ser como antes.