de de

Minha inspiração

Estava tentando criar coragem para escrever uma poesia, um pequeno parágrafo, continuar alguma história, mas isso simplesmente não me ocorre.

Minha mente está mais vazia que o deserto... Deserto de gelo, porque além de vazia, está fria.

Muito estranho... Agora pergunto-me aonde foram a intensidade e a tenacidade das minhas emoções...

Se esconderam, decerto, no mais escuro lado do meu ser... Se foram lentamente. Sem avisos, sem presságio, sem pressentimentos e nem bilhetes.

Me deixaram assim, nesta harmonia lânguida e lenta.

Por isso...

Por ora, me abstenho da escrita.

Os sentimentos e as palavras voltarão quando assim o desejarem.

Fonte

de de

Exagero

Apenas as emoções fortes me atacam e me consomem com sua força, apenas o exagero, o que transborda e se vai para longe.

O que está ao meu alcance não me atrai. A rotina... Tão dispensável. As regras... Igualmente.

O belo me distrai, até mesmo seu inverso...


O insensato me conquista e o imprevisível não me assusta.

Afinal, o que será de minha vida quando a taquicardia passar, quando o suor cessar, quando não mais existirem os tremores...

Confesso, prefiro morrer a ter que ver o exagero de minhas emoções desaparecer nesse mar de mesmices.




de de

Mostra de teatro - Miguilim

Acompanhando a 3ª mostra de teatro aqui em Toledo, acho que consegui entender um pouco mais aquilo que nada sabia. Já que eu e minha amiga decidimos entrar nesse mundo, é preciso então conhecê-lo.

A experiência de domingo foi fascinante. Os elementos que mais me impressionaram foram: a iluminação, os atores, o texto e a disposição de todos no palco. Sei que não entendo nada de teatro, mas fiquei realmente boquiaberta com a maneira simples de trazer para dentro da mente da platéia uma história, que, apenas lida, provavelmente não causaria o mesmo efeito. Digo isso, porque muitas pessoas não possuem o gosto pela leitura (o que não é o meu caso), e certamente, não aproveitariam o texto se o tivesse em mãos. Mas ali, ao vivo e à cores, havia uma compenetração e uma mistura entre palco e platéia incrível. Infelizmente, perdi o início da peça, mas, felizmente, não perdi a peça.

Adorei a iluminação porque parecia transformar o cenário por completo, porque cada movimento de luz transformava o tempo e o espaço. Sim, estranho, mas real. Em apenas um palco, em apenas um espaço pequeno houve dia, noite, sol, chuva, seca, tempestade... Houve aqui, ali e acolá. Houve passado, presente e futuro acompanhados de perto, assim, nu e cru, ao vivo.

Tudo bem, pode não ter sido tão emocionante para todos, mas pra mim foi inesquecível.

Também me impressionei com os atores, porque só me lembrei que eram apenas atores ao final da peça, quando se reuniram todos para os aplausos. Eu não sei muito disso, mas só o que eu sei é que quando me esqueço do ator e vejo apenas o personagem, deve ser porque ele atua bem. Pra mim o que importa não é quem representa, mas o que representa.

Gostei do texto porque era sofisticado e simples ao mesmo tempo. Era como um livro, mas um livro vivido, um livro muito bem contado. Isso me fez gostar mais da peça, porque adoro ler e adoro livros, e estando lá era como se estivesse dentro da história. Era como se a leitura que fica apenas em minha mente fosse representada lá fora...

E sobre a disposição do palco... Bom, depois de tudo, nem me lembrava que existia um palco a ser ocupado. Talvez porque ele estivesse completo, ou passasse a impressão de estar... Já não sei... Só sei dizer que foi incrível.

Agora só me resta ler a obra de Guimarães Rosa para me entusiasmar ainda mais a seguir meu sonho de ser escritora e dramaturga.

Estreou em 23/10/10, no TUCA - Teatro da PUCPR


de de

Don't worry, be happy

Um dia a gente se pega olhando de novo aquela foto e lembrando como foi bom... Lembramos dos tempos antigos e o que vem à mente é um misto de saudade, tristeza, alegria e...

A continuação da última frase depende tanto! Depende de como estamos hoje, mas hoje mesmo, neste dia, neste exato momento em que encontramos a foto. Por que somos seres variáveis e não nos contentamos com a mesmice diária, não nos contentamos em sentir sempre a mesma coisa, em viver a vida sempre da mesma maneira.

Então, se estamos felizes com nossa vida atual, talvez pensemos como aquele tempo foi satisfatório e como nos ajudou de alguma forma a chegarmos onde estamos.

Se estamos tristes, talvez pensemos como era bom aquela época, aqueles amigos, aquele emprego, aquele namorado, e nos ressentimos imaginando como deixamos que toda aquela felicidade se fosse dia após dia.

Se estamos indiferentes, talvez apenas nos sentimos acalentados, por saber que um dia fomos felizes como nunca.

E ainda, se estamos meio deprimidos, tentamos imaginar como tudo acabou tão mal e como jamais será daquele jeito novamente.

Mas, na verdade mesmo, não importa como fomos ou como seremos, só importa como estamos e como somos. Por que todos sabem que o que foi fotografado era o agora, que se tornou passado. E todos sabem que muitos outros agoras felizes virão.

Então se você está feliz, nem pense, apenas continue assim. Se você está triste, apenas saiba que a tristeza também faz parte de uma vida feliz, e que essa tristeza logo ficará no passado também. Se você está indiferente, inspire-se! Olhe esta foto e decida hoje o que fazer, para sair do mesmo de sempre, para voltar a ser o seu protagonista, para não deixar que outros ditem o rumo de suas próximas histórias.

E se você está meio deprimido... Confie em mim quando digo que a sua atitude transformou aquele momento em um ótimo momento, e muitos outros também serão assim, depende apenas disso: sua atitude.

"Don't worry... Be happy"

de de

Você...

Acordei pela metade e levantei caindo
Esqueci as partes que deveria reunir

Você me confundiu
Nem sei se me completou ou repartiu

Por que ao ver você já não sei se sou eu, ou se eu sou apenas uma parte de mim em você
Mas para a parte existe o todo, e o todo mede as partes

Então já me confundo e já misturo
Tudo que sou eu e mais ainda o que é você

Mas a medida é tão banal e a lógica tão desnecessária
Que a mim só interessa saber

O mais que esse tudo pra mim
Sou só eu e você

de de

Ei amigo!

Amigo, hoje eu só queria me dar a liberdade de chorar. De mergulhar em minhas lágrimas e encontrar lá dentro a coragem para lhe dizer o quanto sinto de solidão quando estou sem seu apoio.

Talvez encontrar um pouco mais de compaixão, pois dentro da minha tristeza existe uma enorme quantidade de egoísmo que eu finjo não existir, mas que no fundo está sempre ali... E que aparece naqueles momentos críticos onde é necessário se sacrificar para te ajudar amigo... Onde a atitude não se sobressai... E o belo discurso do "ajude o próximo" cai por terra...

Quem sabe não poderia encontrar neste mergulho um pouco mais de amor... Amor por tudo o que há de bom em mim e nas pessoas que me rodeiam... Amor para enxergar o que ainda existe de bom, e para agradecer o apoio que me dá quando tudo vai mal...

Talvez um pouco de compreensão... Ah... Amigo... Compreensão... Esta que lhe tenho faltado...

Seria demais pedir humildade e serenidade? Talvez não... Afinal, pedir não custa...

No fundo amigo, o que eu gostaria, é poder viver de novo, refazer todos os momentos em que as palavras foram mal ditas ou mal entendidas... Perdoar e ser perdoado por colegas, familiares, amigos e aqueles que são mais do que qualquer palavra existente pode descrever...

Se existisse, lá no fundo, um sistema de "Desculpas coletivas"! Eu ia adorar!

Pensando bem... Você sabe... Igualmente me arrependeria depois... Por não ter incluído sentimento suficiente em cada pedido efetuado.

Enfim...

O mergulho acaba e os problemas ainda estão ali, e, ironia ou não, quem mais me ajuda a sair deles são aquelas, boas e sempre confiáveis, pessoas a quem eu normalmente gostaria de me desculpar... Por tê-las magoado... Ou por não tê-las ajudado como ajudam a mim.

Obrigada amigo, você me faz perceber que, as desculpas não foram ditas... Mas foram sentidas. Muitas vezes perdoadas sem palavras... Outras vezes, perdoadas após curta ou longa discussão...

Obrigada por sempre saber como estou apenas com um olhar, um gesto, uma palavra...

Assim, entendo, amigo, que um pouco de mim está em você...

E o pouco de você que está em mim, pode acreditar amigo, é a parte que mais admiro.